quinta-feira, 27 de abril de 2017

DÍVIDA MALÍGNA


Por Etelmar Loureiro

Apesar dos tênues sinais de recuperação que o governo tenta potencializar, o Brasil permanece sob os efeitos de uma inédita recessão econômica.
Na análise técnica, o fenômeno reflete um período de retração geral na atividade econômica, com queda nos níveis de produção e investimento, aumento do desemprego, diminuição na renda familiar, redução na taxa de lucro, elevação do número de falências e concordatas, avanço da capacidade ociosa e outros lamentáveis efeitos. Regra geral, uma economia entra em recessão após dois trimestres contínuos de queda no PIB. No caso brasileiro, esse indicador encolheu por dois anos consecutivos.  
Em maior ou menor escala, a crise tem afetado a indústria, o comércio, a prestação de serviços e todos os demais segmentos econômicos. Observadores mais argutos garantem que nem mesmo o jogo do bicho, o tráfico de drogas e o comércio do sexo foram poupados. Tá todo mundo “na pior”!
Para Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, esse descalabro “é o resultado de uma série de políticas que levaram a economia brasileira a enfrentar a maior crise de sua história”. Diante desse panorama, ele admite haver indícios de que “será inevitável” mexer na carga tributária para cobrir o rombo orçamentário.
Essa infeliz insinuação de mais impostos provocou enérgicas reações contrárias, inclusive da Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo Claudio Lamachia, presidente da entidade, a OAB está pronta para combater, com todos os meios disponíveis, “quaisquer iniciativas que tenham como objetivo impor mais prejuízos aos cidadãos, que não aguentam mais ver a renda corroída pela absurda carga tributária do país”.
Exausto de tanto ser explorado, o brasileiro vive buscando outras explicações e justificativas para esse desastroso estado de coisas.
            Atribui-se ao marqueteiro Nizan Guanaes a autoria da expressão “enquanto eles choram, eu vendo lenços”. Ela bem repercute a atual temporada, em que não faltam oportunistas aptos a tirar proveito da situação. Um exemplo são os bancos, que têm andado na contramão da realidade brasileira. Enquanto esse segmento está “bamburrando”, nossa economia se afunda, pressionada por falta de crescimento, empresas subumbindo ou trabalhando no vermelho, desemprego crescente e pessoas em dificuldade financeira. Pelos balanços relativos a 2016, os quatro maiores bancos brasileiros (Itaú, Bradesco, BB e Santander) lucraram, em conjunto, algo em torno de R$ 52 bilhões. Tá bom, ou quer mais?
            São muitas as razões para que esses formidáveis resultados aconteçam. Uma delas, pacificada entre os analistas, são os altissimos juros rendidos pela dívida pública, essa crescente bola de neve que consome enorme parcela do que o governo arrecada. Ou seja, o dinheiro do contribuinte está sendo usado para alimentar o lucro bilionário dos bancos.
            O peso dessa dívida e a caixa preta que a envolve têm sido objeto de questionamento, no instante em que se busca o equilíbrio das contas públicas, à custa de maiores sacrifícios do povo. A opinião geral é que, antes de mexer na aposentadoria e em outros direitos do cidadão, o governo tem a obrigação de enxugar sua escorchante dívida pública.

            Afinal  - diria o famoso Guanaes -, não há como admitir que os banqueiros continuem “vendendo lenços”, com lucros astronômicos, enquanto a sociedade, chorando enormes prejuízos, é condenada a pagar a conta. Mais do que injustiça, é muita sacanagem!

- Revista "Mais Mais PERFIL" de abril 2017

Um comentário:

  1. Bem dito . . .
    enquanto uns choram, outros vendem lenços . . . !

    ResponderExcluir