sábado, 13 de maio de 2017

NO DIA DAS MÃES, VALE A ALMA MATERNA

Por Etelmar Loureiro

Mãe, palavra mágica, de múltiplos significados. Sobre ser a regalia de dar à luz uma criança, mãe é sinônimo de tolerância, sabedoria, ensinamento, paciência, renúncia, sacrifício, desapego e tudo mais que signifique amor. Virtudes que também são próprias das pessoas que cultivam bons sentimentos. Entre essas, a mãe adotiva, a avó, a tia, a velha governanta, a babá, a professora, a médica, a enfermeira, a policial e tantas outras mulheres que, mesmo sem a experiência da concepção,  têm alma materna.  Sem esquecer os homens que, para seus filhos, são verdadeiras mães.

Um brinde, a todas e a todos que, de alguma forma, praticam o amor maternal. 

(exclusivo para o blog)

quinta-feira, 27 de abril de 2017

DÍVIDA MALÍGNA


Por Etelmar Loureiro

Apesar dos tênues sinais de recuperação que o governo tenta potencializar, o Brasil permanece sob os efeitos de uma inédita recessão econômica.
Na análise técnica, o fenômeno reflete um período de retração geral na atividade econômica, com queda nos níveis de produção e investimento, aumento do desemprego, diminuição na renda familiar, redução na taxa de lucro, elevação do número de falências e concordatas, avanço da capacidade ociosa e outros lamentáveis efeitos. Regra geral, uma economia entra em recessão após dois trimestres contínuos de queda no PIB. No caso brasileiro, esse indicador encolheu por dois anos consecutivos.  
Em maior ou menor escala, a crise tem afetado a indústria, o comércio, a prestação de serviços e todos os demais segmentos econômicos. Observadores mais argutos garantem que nem mesmo o jogo do bicho, o tráfico de drogas e o comércio do sexo foram poupados. Tá todo mundo “na pior”!
Para Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, esse descalabro “é o resultado de uma série de políticas que levaram a economia brasileira a enfrentar a maior crise de sua história”. Diante desse panorama, ele admite haver indícios de que “será inevitável” mexer na carga tributária para cobrir o rombo orçamentário.
Essa infeliz insinuação de mais impostos provocou enérgicas reações contrárias, inclusive da Ordem dos Advogados do Brasil. Segundo Claudio Lamachia, presidente da entidade, a OAB está pronta para combater, com todos os meios disponíveis, “quaisquer iniciativas que tenham como objetivo impor mais prejuízos aos cidadãos, que não aguentam mais ver a renda corroída pela absurda carga tributária do país”.
Exausto de tanto ser explorado, o brasileiro vive buscando outras explicações e justificativas para esse desastroso estado de coisas.
            Atribui-se ao marqueteiro Nizan Guanaes a autoria da expressão “enquanto eles choram, eu vendo lenços”. Ela bem repercute a atual temporada, em que não faltam oportunistas aptos a tirar proveito da situação. Um exemplo são os bancos, que têm andado na contramão da realidade brasileira. Enquanto esse segmento está “bamburrando”, nossa economia se afunda, pressionada por falta de crescimento, empresas subumbindo ou trabalhando no vermelho, desemprego crescente e pessoas em dificuldade financeira. Pelos balanços relativos a 2016, os quatro maiores bancos brasileiros (Itaú, Bradesco, BB e Santander) lucraram, em conjunto, algo em torno de R$ 52 bilhões. Tá bom, ou quer mais?
            São muitas as razões para que esses formidáveis resultados aconteçam. Uma delas, pacificada entre os analistas, são os altissimos juros rendidos pela dívida pública, essa crescente bola de neve que consome enorme parcela do que o governo arrecada. Ou seja, o dinheiro do contribuinte está sendo usado para alimentar o lucro bilionário dos bancos.
            O peso dessa dívida e a caixa preta que a envolve têm sido objeto de questionamento, no instante em que se busca o equilíbrio das contas públicas, à custa de maiores sacrifícios do povo. A opinião geral é que, antes de mexer na aposentadoria e em outros direitos do cidadão, o governo tem a obrigação de enxugar sua escorchante dívida pública.

            Afinal  - diria o famoso Guanaes -, não há como admitir que os banqueiros continuem “vendendo lenços”, com lucros astronômicos, enquanto a sociedade, chorando enormes prejuízos, é condenada a pagar a conta. Mais do que injustiça, é muita sacanagem!

- Revista "Mais Mais PERFIL" de abril 2017

domingo, 1 de janeiro de 2017

A ARTE DA PARTILHA
Por Etelmar Loureiro

            Dividir não é fácil. Onde quer que a tarefa se imponha, ela requer habilidade, bom senso e espírito de justiça.
            Nada a ver com a repartição de pães de que falam os cristãos, nem com a divisão de bolos de aniversários, tampouco com o rateio de queijos. Nesses casos, com menores interesses em jogo, a partilha é geralmente tranquila e bem aceita. Ainda assim, costuma surgir um chato que se considera injustiçado, reclamando que outros foram mais bem aquinhoados.
            Nos meios socioeconômicos, a coisa já muda de figura. O conflito de interesses é comum entre seus participantes, nas horas de demarcar áreas de atuação e de avaliar resultados. A ganância de uns sempre se confronta com a ambição de outros.
            Mas é no mundo político que tudo se complica, e muito!
            No afã de se elegerem, os políticos fazem qualquer acordo ou negócio, com quem quer que seja. Se bobear, até com o demônio! Por sua vez, também em busca de vitória, seus partidos estabelecem alianças sustentadas em compromissos a serem honrados, se o candidato da coligação for eleito.
No início, tudo parecia legítimo e salutar. A proliferação das legendas, entretanto, converteu essas confrarias em um imenso balcão de negócios, destinado a ganhar mais espaço nos horários políticos da mídia, além de assegurar nomeações para cargos de relevância em órgãos ou empresas públicas, afora outras benesses menos ortodoxas.
Ao longo do tempo, essas alianças têm sido determinantes na reversão de cenários políticos. Basta recordar que, enquanto agiu sozinho, o PT jamais ganhou eleições. Para eleger Lula, bastou se aliar a uma legenda de extrema direita, o Partido Liberal, do já falecido senador José de Alencar. Da mesma forma, para colocar Dilma Rousseff no Planalto, não precisou mais do que se unir ao PMDB. E se manteve no poder, por longos 13 anos, graças a outras alianças esdrúxulas, que sempre se mantiveram na base do “é dando que se recebe”.
            Essa autêntica orgia política tornou-se corriqueira, tanto nas eleições majoritárias, quanto nas proporcionais. Expõe o comportamento fisiologista de legendas que se dispõem a apoiar qualquer chapa, independentemente de se alinharem em torno de ideologias ou programas, com o único objetivo de obter vantagens. Um pernicioso troca-troca de interesses, operado em clima de explícita promiscuidade.
            Tal fenômeno poderá complicar a vida dos vencedores das últimas eleições municipais, em torno dos quais se uniu um amontoado de partidos que perderam o rumo após a derrocada do PT. Em Valadares, por exemplo, nada menos de 24 legendas se juntaram para eleger o novo prefeito, André Merlo, fato inédito na história política da cidade. Uns mais, outros menos, todos devem estar de olho, quando nada, numa boa fatia do bolo que ajudaram a confeitar.
            Há fortes indícios de que essas famigeradas coligações estejam com os dias contados. Uma PEC que prevê o seu fim eleitoral, já aprovada pelo Senado, depende apenas de ser referendada pela Câmara Federal.
            Enquanto isso não acontece, é bom que os atuais e futuros administradores públicos se conscientizem de que os tempos mudaram. Na atualidade, mais do que antes, é preciso que eles consigam harmonizar o dividir com o multiplicar. É fundamental que só repartam seus mandatos com auxiliares e parceiros eficazes, eficientes, sérios e corretos, capazes de contribuir para a multiplicação de resultados. Nada de se amarrar com amigos, parentes, apadrinhados e aliados oportunistas, que só causam transtornos e aborrecimentos.
Trocando em miúdos, compartilhar o poder, com prudência e sabedoria, é multiplicar as chances de nunca compartilhar a cela. Uma arte, com certeza!

- Revista "Mais Mais PERFIL" - dezembro/2017